Português Italian English Spanish

Sistema Penitenciário de MT adere ao Programa Nacional de Controle da Tuberculose

Sistema Penitenciário de MT adere ao Programa Nacional de Controle da Tuberculose

Data de Publicação: 17 de outubro de 2020 11:28:00
Três unidades de Cuiabá foram contempladas com materiais educativos sobre a doença; programa vai abranger todo o Estado

Assessoria | Sesp-MT

- Foto por: Sistema Penitenciário/MT

Mato Grosso foi um dos estados que aderiu ao Programa Nacional de Controle da Tuberculose, do Ministério da Saúde. A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), por meio da adjunta de Administração Penitenciária (SAAP), firmou termo de cooperação junto ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para desenvolver ações preventivas no combate às doenças nas unidades penais.

A campanha Prisões Livres de Tuberculose traz conteúdo informativo, voltado para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL) e servidores, sobre educação em saúde, comunicação e fluxo da atenção em saúde, com objetivo de reduzir os casos de tuberculose.

Em Mato Grosso, as primeiras unidades a receberem o material educativo foram o Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May e Penitenciária Central do Estado (PCE). Na próxima semana, as outras 45 instituições prisionais do Estado vão receber o material.

“As ações de enfrentamento às doenças emergentes no Sistema Prisional são importantes para reduzir os agravos. A tuberculose sempre foi um problema de saúde pública no Brasil e, após esforços coletivos das equipes de saúde in loco com parceiros, verificamos que o número de casos está reduzindo em Mato Grosso”, explicou a coordenadora de Saúde do Sistema Penitenciário, Lenil da Costa Figueiredo.

Mesmo nesse cenário de pandemia do novo coronavírus, a Coordenadoria de Saúde tem atendido não só as demandas geradas pela Covid-19, como também das demais doenças.

“Nosso trabalho continua na prevenção à tuberculose, hanseníase e demais doenças, pois elas não deixaram de existir e as equipes de saúde estão atuantes na prevenção, assistência, recuperação e vigilância em saúde”, enfatizou.

Mato Grosso tem pouco mais de 11 mil homens e mulheres nas unidades penais e cerca de três mil servidores.