Português Italian English Spanish

Comércio e Prefeitura apoiam privatização do Parque de Chapada como solução

Comércio e Prefeitura apoiam privatização do Parque de Chapada como solução

O anúncio da privatização foi feita pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Sales e tida, pela CDL e Prefeitura local, como solução de conservação e geração de renda

MAJU SOUZA
DA REDAÇÃO

RepórterMT/Reprodução

Atual a área preservada é administrada pelo ICMBio

O anúncio feito pelo Governo Federal de que irá privatizar o Parque Nacional de Chapada dos Guimarães tem gerado expectativa positiva entre o Poder Público e comerciantes da cidade turística que reclama da falta de estrutura e investimentos necessários no local.

O parque integra um grupo de quatro unidades de conservação prioritárias ao Governo, em um projeto de concessão que será implementado esse ano.

Para a prefeita Thelma Oliveira (PSDB) a medida pode trazer diversos benefícios à cidade, ela conta que a mesma medida deu certo no Complexo da Salgadeira, localizada na MT-251.

“Avalio com o exemplo da Salgadeira. Foi extremamente positivo, deu certo. As pessoas visitam bastante e o local está sempre lotado”, relata a prefeita.

“Existem experiências como Foz do Iguaçu que há a exploração com a preservação do espaço”, argumenta o presidente da CDL.

 

Thelma ainda pondera que o Poder Público não tem suficiência para fazer todos os investimentos necessários e que a parceria público-privada é benéfica e bem-vinda.

O presidente da Câmara de Dirigentes e Lojistas de Chapada (CDL), Douglas Araújo Silva considera importante para o comércio que se privatize ele cita exemplos de privatização no Brasil, que são referência.  “Existem experiências como Foz do Iguaçu que há a exploração com a preservação do espaço”, argumenta.

Douglas explica que os comerciantes sofrem muito na baixa temporada, mal conseguem fechar as contas e isso acarreta o desemprego. A saída é a exploração do turismo.

O presidente da CDL afirma que a classe apoia a concessão para a exploração privada desde que seja mantida a preservação da área, conhecida internacionalmente por suas famosas cachoeiras, trilhas ecológicas e paredões.

A proprietária da Pousada da Gi, Gisela Carvalho avalia a medida de forma positiva. Para ela, a concessão é uma forma de se ter organização.

“Avalio com o exemplo da Salgadeira. Foi extremamente positivo, deu certo. As pessoas visitam bastante e o local está sempre lotado”, relata a prefeita.

 

A empresária relata que a atual administração do parque, que é o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), já fechou a área diversas vezes.

Dos motivos relatados estão a falta de papel higiênico para funcionários, atraso de salários, entre outros.

Gisela conta que em um dos fechamentos desse ano, os comerciantes acionaram a patrulha da Guarda Municipal e organizaram uma manifestação, na entrada local, pela a reabertura.

Ela explica que esses fechamentos prejudicam o atendimento dos comerciantes aos turistas, que se frustram poder não pode visitar a área preservada.

Concessão

O Parque Nacional de Chapada dos Guimarães é uma unidade de conservação brasileira, que possuiu uma área toral de 33 mil hectares. Segundo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Sales, o Governo Federal pretende realizar concessões em diversas unidades de conservação.

Quatro se encontram na lista de prioridades, dentre elas o Parque Nacional de Chapada dos Guimarães (MT), Jeriquaquara (CE), Lençóis Maranhenses (MA) e Aparados da Serra (RS).