Português Italian English Spanish

Com sinalização de manter greve, professores realizam assembleia na 2ª

Com sinalização de manter greve, professores realizam assembleia na 2ª


Sintep cobra proposta concreta do Governo para cumprir a Lei da dobra do poder de compra

Da Redação  / FolhaMax

sintep-sefaz.jpg

 

O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público (Sintep-MT) realiza sua Assembleia Geral na segunda-feira (01), às 14h30, na Escola Estadual Presidente Médici, em Cuiabá. No debate serão feitas as avaliações do documento do governo e os encaminhamentos do movimento paredista.

Na última quinta-feira, os representantes do sindicato estiveram reunidos com a equipe do Governo em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça do Estado. Na ocasião, o Executivo apresentou uma proposta sobre o corte de pontos dos profissionais que mantiveram a greve. 

O Governo afirmou que, caso o movimento paredista seja encerrado na terça-feira, pagará, no dia 20 de julho, 50% dos salários cortados entre maio e junho. O restante, será pago em 10 de agosto.

Porém, o sindicato ficou insatisfeito com a falta de proposta para cumprir a Lei 510/2013, que prevê a dobra do poder de compra dos profissionais da Educação até 2023. Para este ano, estava previsto reajuste de 7,69%, o que o Governo alega não ter condições de cumprir por estar estourado na Lei de Responsabilidade de Fiscal nos gastos com pessoal.

A proposta do Executivo é pagar os reajustes após entrar nos limites da LRF, que é de aplicar até 49% da arrecadação com salários. Os professores, porém, cobram algo concreto, com prazos e valores já pré-definidos.

Como isso ainda não ocorreu, a tendência é de que a greve seja mantida, já que, desde a reunião no Tribunal de Justiça, diversos atos para chamar a atenção da sociedade foram realizados. Na tarde de sexta-feira (28.06) uma Marcha em Defesa da Educação Pública e do direito dos trabalhadores, percorreu o Centro Político Administrativo (CPA), da Capital, manifestando repúdio a truculência do governo, "que insiste em punir a luta por direitos com corte de pontos e não avança com propostas nas reivindicações fundamentais".

O ato teve o apoio e a participação de familiares e estudantes da escola pública estadual. Juntos manifestaram o apoio as reivindicações do educadores.

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário